SOBRE JOÃO ALMINO

TEXTOS EM LIVROS, TESES UNIVERSITÁRIAS OU PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS SOBRE O AUTOR

ABDALA JUNIOR , Benjamin, sobre Cidade Livre. (Prefácio). In: Cidade Livre. Rio de Janeiro: editora Record, 2010. Ler/Read

ACOSTA, Juvenal, «Ideas de fin de siglo: una conversación con João Almino». Casa del Tiempo, Universidad Autónoma Metropolitana, Volumen XIV, Epoca II No. 58/59, México, D.F., Diciembre/Enero 1997, p. 82-87.

APOLINARIO, Mario Sergio de Jesus, «Fotografia: Poética do instante contínuo», sobre O LIVRO DAS EMOÇÕES, de João Almino. Rev. Let. & Let. Uberlândia-MG v.27 n.2 p.399-410 jul.|dez. 2011. Ler/Read

BEAL, Sophia, «Brasília Unsettled in João Almino´s Cidade Livre«. Chapter 3. In: The Art of Brasilia 2000-2019. Cham: Palgrave Macmillan, p. 69-87.

CHIUPPANI, Beppi, «A Stylistics of Politics: On Metafiction and Post-Ideological Engagement in João Almino´s O Livro das Emoções», p. 47-94. In: Beyond Political Engagement? Redefining the Literary in Post-Dictatorship Brazil and Post-Apartheid South Africa (on João Almino, Cristóvão Tezza and Barbara Adair). A dissertation submitted for the Degree of Doctor in Philosophy. Department of Comparative Literature, University of Chicago, June 2013

CRUZ, Zaida Capote, «Sobre Las Cinco Estaciones del Amor, de João Almino: la vida en un instante». Revista Casa de las Américas,235, abril-junio 2004, p. 158-160. Ler/Read

ESLAVA, Fernando Villarraga, Narrações em Compasso Pós-Moderno (Dois Romances Latino-americanos). Tese apresentada ao Curso de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas como requisito para obter o título de Doutor em Letras na área de Teoria Literária, Unicamp, Campinas, 2000.

FISCHER, Almeida, «Ficção. Recensão crítica. João Almino, Ideias para Onde Passar o Fim do Mundo». In: Revista Colóquio Letras, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, n. 102 (Mar. 1988). Ler/Read

FREITAG, Barbara, «O Mito da Megalópole na Literatura Brasileira». (Sobre João Almino, Ignacio de Loyola Brandão y Clarice Lispector). Tempo Brasileiro, 132: 143-158, Rio de Janeiro, jan-março, 1998. Ler/Read

GALVÃO, Walnice Nogueira, Sobre Idéias para Onde Passar o Fim do Mundo (Prefácio). In: Almino, João, Idéias para onde passar o fim do mundo. São Paulo: editora Brasiliense, 1987. Ler/Read

GALVÃO, Walnice Nogueira, Sobre Cidade Livre (Apresentação). In: Almino, João, Cidade Livre. Rio de Janeiro : editora Record, 2010. Ler/Read

GARZA, Regina, «La literatura es un campo en el que no es posible negociar; cinco placenteras estaciones.» Lectofilia, año III, n. 152, y 155, 12 de octubre, 19 de octubre y 2 de noviembre de 2003.

JACKSON, K. David, «Writing the futuristic city: Brasília’s Five Seasons of Love» (Introduction). In: , The Five Seasons of Love. Austin, Texas: Host Publications, 2008. Ler/Read

JOBIM, José Luís, «João Almino, o crítico como romancista.» In: FIGUEIREDO, Carmem Lúcia Negreiros et alii (org.) Crítica e literatura. Rio de Janeiro/Belém do Pará: De Letras/Universidade Federal do Pará, 2011, p. 11-26. Ler/Read

JOBIM, José Luís, Crítica Literária e os Críticos Criadores no Brasil. Rio de Janeiro: EdiUerj, 2012, p. 97-114.Ler/Read

LAFETÁ, João Luiz, «Entre a fotografia e o romance». In: Lafetá, João, A Dimensão da Noite e outros ensaios (org. de Antonio Arnoni Prado; prefacio de Antonio Candido). São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2004, p. 522-524. Ler/Read

LOPES, Denilson, «A Volta da Casa na Literatura Brasileira Contemporânea». Luso-Brazilian Review, LBR, Madison, Wisconsin, volumen 43, Number 2, 2006, , p. 119-130. Ler/Read

LOPES, Denilson, «De volta pra casa». In: A Delicadeza: Estética, Experiência e Paisagens. Brasília: editora Universidade de Brasília, 2007, p. 115-129.

MAXIMINO, Jorge A., «Experiência Estética e Pulsão Utópica em Português: A propósito de As cinco estações do amor de João Almino e de Passagem das horas de Álvaro de Campos». Lusografias, Lisboa, Ano II, Números 2/3, jan/fev/março 2006 , p. 52-57. Ler/Read

MONTEIRO, PEDRO MEIRA, «No pertenecer perteneciendo»: en torno a Las Cinco Estaciones del Amor. In: Las Cinco Estaciones del Amor. Buenos Aires: Corregidor, 2009, p. 203 a 215. Ler/Read

MONTEIRO, PEDRO MEIRA, «Todo instante: A ficção de João Almino». In: Luso-Brazilian Review, Volume 47, No. 1, 2010, p. 61-70. Ler/Read

NOLL, João Gilberto, Apresentação. In: O Livro das Emoções. Rio de Janeiro: editora Record, 2008. Ler/Read

PANIAGO, Paulo, No compasso das letras. Brasília: Instituto Terceiro Setor, 2012, p. 36-40.

PÉCORA, Alcir, Prefácio. In: O Livro das Emoções. Rio de Janeiro: editora Record, 2008. Ler/Read

PINTO, Manuel da Costa. Prefácio. In: Samba-Enredo. Rio de Janeiro: editora Record, 2012. Ler/Read

RAMOS, Graça. «Cidade Livre: Romance de Formação nos Ritmos de Brasília». In: O futuro pelo retrovisor (org: Paloma Vidal, Stefania Chiarelli e Giovanna Dealtey). Rio de Janeiro: Rocco, 2013, p.185-200.

RESENDE, Beatriz, Sobre Idéias para Onde Passar o Fim do Mundo (aptesentação). In: Almino, João, Idéias para Onde Passar o Fim do Mundo. Rio de Janeiro: editora Record, 2003. Ler/Read

ROCHA, João Cezar de Castro, «As estações de um autor: o work in progress de João Almino». Imaginário, ano XIII, n.o 14, 1.o semestre de 2007, p. 15-27. Ler/Read

ROCHA, João Cezar de Castro, «Las estaciones de un autor: el work in progress de João Almino». Revista Casa de las Américas, No. 248, Julio-septiembre 2007, p. 128-134. Ler/Read

SAGNES, Paskine and VIALA, Laurent «The city and its double. Brasília by João Almino (1950-) or the myth of urban modernity through the prism of daily life». In: Emmanuelle Péraldo (dir), Literature and geography : the writing of space throughout history. Cambridge Scholars Publishing, 2016

SANTIAGO, Silviano, Apresentação. In: As Cinco Estações do Amor. Rio de Janeiro: editora Record, 2001. Ler/Read

SANTIAGO, Silviano, Prefácio. In: Las Cinco Estaciones del Amor. Buenos Aires, Corregidor, 2009, p. 7 a 26. Ler/Read

SCHWARTZ, Jorge, Sobre Samba-Enredo (apresentação). In: Almino, João, Samba-Enredo. São Paulo: Marco Zero, 1994. Ler/Read

SENNA, Marta de, «Almino, João, O diabrete angélico e o pavão. Ellipsis, volume 08, December 2010. Ler/Read

VALENTE, Luiz F. , «Samba-enredo by João Almino». Chásqui: Journal of Latin American Literature, vol. 24, 1 (March, 1995): 79-80. Ler/Read

VILAR, Bluma Waddington, «Almino, João, O diabrete angélico e o pavão». Luso-Brazilian Review, Volume 48, Number 1, 2011, p. 178-182.

ZILBERMAN, Regina, Cidade Livre – Fundação e Memória Cultural». In: Narrativas Contemporâneas, Recortes Críticos sobre a Literatura Brasileira. Org: Gínia Maria Gomes. Porto Alegre: Libretos, 2013, p. 29-46 Ler/Read

 

TEXTOS SOBRE O AUTOR EM REVISTAS E SUPLEMENTOS LITERÁRIOS

ALVES, Dário Moreira de Castro, «Ecologia e seus fundamentos: Naturezas Mortas, de João Almino»
Correio da Manhã, Lisboa, 30 de abril de 1998. Ler/Read

ANDRADE, Cyro F., «O império chamado Utopia». (Sobre «A Utopia é um Império», de João Almino). EU&, Valor, São Paulo, 6, 7 e 8 de agosto de 2004, p. 10-14.

AXT, Gunter, «Cidade Livre, de João Almino». In: Pé de Página, Zero Hora, Porto Alegre, 23 de novembro de 2010. Ler/Read

BARCELLOS, Claudia, «João Almino encerra trilogia de Brasília: Novo romance mergulha no universo feminino para discutir relações humanas no fim do milênio». EU&, Cultura, Valor, 11 de junho de 2001. Ler/Read

BASTOS, Jorge Henrique, «João Almino – Um intérprete da realidade, Enredo literário».
Expresso, Lisboa, 26 de setembro de 1998. Ler/Read

BLUMENTHAL, Thiago, «Às Margens de Brasília». Entrevista sobre «Cidade Livre». Trópico, Dossiê Literatura. São Paulo, setembro de 2010. Ler/Read

BONVICINO, Régis, «Nas pegadas de Machado». IstoÉ, 28 de outubro de 1987. Ler/Read

________________»A carnavalização na obra de João Almino: escritor retoma a reflexão e a ironia de Machado para tratar em seu romance do que há de banal e alienante na cultura nacional». Jornal do Brasil, Idéias/Livros, sábado, 27 de agosto de 1994. Ler/Read

________________ «As palavras cegas de João Almino» (entrevista). ig.com, 14 de julio de 2008. Ler/Read

BRASIL, Ubiratan, «Sou fiel à paisagem de Brasília «. Entrevista sobre «Cidade Livre». Caderno2, O Estado de S. Paulo, 30 de junho de 2010. Ler/Read

BRIGAGÃO, Clóvis, «Geração passada a limpo». Idéias, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 24 de outubro de 1987. Ler/Read

BULCÃO, Armando, «O Brasil com um presidente negro, civil e popular». Aparte, Correio Braziliense, domingo, 8 de novembro de 1987. Ler/Read

CASTELLO, José, «Um mapa virtual para entender o enredo do crioulo doido». Playboy, outubro de 1994. Ler/Read

CASTELLO, José, «A literatura de João Almino contra a ilusão». Cultura, O Estado de S. Paulo, domingo, 16 de setembro de 2001. Ler/Read

CASTELLO, José, «O homem soterrado» (sobre «Cidade Livre»). Prosa & Verso, O Globo , sábado, 26 de junho de 2010. Ler/Read

CASTELLO, José, «Escrita de Fronteira». Eu&, Valor , 13 de julho de 2012. Ler/Read

CERVANTES, Francisco, «Brasil: Ideas para donde pasar el fin del mundo». Cuaderno de Sábado, Uno más Uno, México, 06 de junhode 1987. Ler/Read

________________ «El Brasil del pensamiento político y literario a través de João Almino». Cuaderno de Sábado, Uno Más Uno, México, 16 de agosto de 1986.

COUTO, Ronaldo Costa, «Livro recria o início doido de Brasília; «Cidade Livre», de João Almino, narra em tom de epopeia construção no ermo goiano. Ilustrada, Folha de S. Paulo, sábado, 19 de junho de 2010. Ler/Read

D’AMBROSIO, Oscar, «O realismo carnavalesco de João Almino». Caderno de Sábado, Jornal da Tarde, São Paulo, 13 de agosto de 1994. Ler/Read

DANTAS, Raymundo Souza, «Ótima Surpresa». Segundo Caderno, O Globo, domingo, 18 de outubro de 1987. Ler/Read

ESPINOSA, José Luis, «Almino: los viacrucis del amor». Cultura, Independiente, México, 21 de agosto de 2003.

FARIAS, Marcílio, «Um defunto (como Brás Cubas, de Machado de Assis) vive Brasília». JOSÉ, Brasília, año XI, n. 586, de 17 a 23 de outubro de 1987. Ler/Read

FERNANDES, Marina. «Fotografia do invisível». Capítulo, Brasília, junho de 2009. Ler/Read

FERRAZ, Leda Rita Cintra, «A geração oitenta escreve. E bem. Humor refinado, ironia sofisticada, a marca de João Almino». O Estado de S. Paulo, São Paulo, 13 de novembro de 1987. Ler/Read

FINNAZI-AGRO, Ettore, «Le cinque stagioni dell’amore di João Almino» Ler/Read

FISCHER, Almeida, «Narrativa delirante». O Estado de S. Paulo, 23 de julhode 1988. Ler/Read

FRANCISCO, Severino, «Brasília como espaço de ficção». Correio Braziliense, PENSAR, Brasília, sábado, 8 de outubro de 2016. Ler/Read

FREITAG, Barbara, «Praga e Brasília, Brasília tem todos os elementos que fizeram de praga capital cultural da europa e exibe todas as credenciais para tornar-se a capital cultural do Brasil». Correio Braziliense, Brasília, domingo, 10 de junho de 2001. Ler/Read

FURIA, Luiza Mendes, «O visível e o invisível em Brasília». Eu &, Valor, São Paulo, 30, 31 de maio e 1.o de junho de 2008, p. 18.

GALINDO, José, «Sugiere João Almino redefinición de la utopía». Cultura, Reforma, México, 19 de agosto de 2003.

GARCIA, Marco Aurélio, «Um rumo para a transição: reflexões sobre o papel da Constituinte na democracia brasileira». Senhor, 236, 25 de setembro de 1985. Ler/Read

GARZA, Irela, «Simplemente magistral». M, Ensalada de Letras, México, 14 de setembro del 2003.

GIUDICE, Claudia, «A visão da máquina: livro inova ao usar o computador como narrador da história», Jornal do Brasil, Caderno B, Rio de Janeiro, 2/8/94. Ler/Read

GOMES, Eustáquio, «Espaço dos homens estilhaçados». Caderno 2, O Estado de S. Paulo, domingo, 8 de fevereiro de 2009. Ler/Read

GOMES, Eustáquio, «Com todo o jeito de clássico». Ideias, Jornal do Brasil , sábado, 29 de maio de 2010. Ler/Read

GONÇALVES, Adelto, «Pesadelos brasileiros no cenário da capital da República». O Estado de S. Paulo/Jornal da Tarde, sábado, 07 de julio de 2001. Ler/Read

GONÇALVES, Adelto, «Um mergulho na cultura árabe» (sobre «Enigmas da Primavera»). LER, Diário do Nordeste, sábado e domingo, 23 e 24 de novembro de 2016 Ler/Read

GONÇALVES, Adelto, «Une plongée dans la culture arabe: Enigmas da Primavera, un roman brésilien de João Almino»
Tlaxcala, Culture et Communication, le 3 Décembre 2016. Traduit par Jacques Boutard Edité par Fausto Giudice Ler/Read

GONÇALVES FILHO, Antonio, «Ensaio sobre a cegueira brasileira: em O Livro das Emoções, romance passado em Brasília, João Almino usa fotógrafo cego como metáfora». Caderno 2, O Estado de S. Paulo, sábado, 26 de julho de 2008. Ler/Read

GRAIEB, Carlos, Literatura Brasileira: As Cinco Estações do Amor, de João Almino. Veja, 4 de julho de 2001. Ler/Read

GUMBRECHT, Hans, «The Five Seasons of Love». Stanford, 2008. Ler/Read

HERNÁNDEZ, Lorena Elizabeth, «La felicidad; Las cinco estaciones del amor de Joao Almino». Diario Monitor, Cultura, México, 29/05/05. Ler/Read

HOLLANDA, Heloisa Buarque, «Imersão no universo do outro». Idéias, Jornal do Brasil, sábado, 16 de junho de 2001. Ler/Read

JANSEN, Roberta, «Uma alegoria high tech». Jornal da Tarde, São Paulo, 8 de agosto de 1994.

KOHAN, Martín, Presentación de Las Cinco Estaciones del Amor. Buenos Aires, 2008. Ler/Read

LAFETÁ, João Luiz, «Entre a fotografia e o romance». Ilustrada, Folha de S. Paulo, domingo, 25 de outubro de 1987. Ler/Read

LESCANO ALLENDE, Guillermo, «Dios no piensa en números redondos» (Sobre Las Cinco Estaciones del Amor). La Jornada Semanal, México, domingo, 14 de setembro de 2003. Ler/Read

LICONA, Sandra, «El escritor brasileño João Almino propone reiventar utopías». Cultura, La Crónica, México, 20 de agosto de 2003.

LOPES, Carlos Herculano, «De volta ao futuro». Pensar, Estado de Minas, 8 de feverieiro de 2003.

LOPES, Carlos Herculano, «Escrever é uma necessidade.» Entrevista sobre «O Livro das Emoções.» Estado de Minas, Belo Horizonte, 21 de junho de 2008.

LOPES, Carlos Herculano, «História em Construção .» Entrevista sobre «Cidade Livre.» Estado de Minas, Belo Horizonte, sábado, 29 de maio de 2010.

LOPES, Denilson, «De volta pra casa». Pensar, Correio Braziliense, sábado, 30 de agosto de 2003. Ler/Read

LÓPEZ, Candelaria, «João Almino, novelista brasileño más allá de la utopía literaria». Cultura, Tiempo, México, 21 de fevereiro de 2004.

LORENZANO, Sandra, ¡Ah, el amor! Presentación de Las Cinco Estaciones del Amor, México, 2003. Ler/Read

MADEIRA, Angélica, «Alminolândia». Pensar, Correio Braziliense , sábado, 29 de maio de 2010. Ler/Read

MELO JÚNIOR, Maurício, «Escritor faz carnaval na cidade». Correio Braziliense, 30 de agosto de 1994. Ler/Read

MENCONI, Darlene, «Rosa-choque: João Almino fala das angústias femininas». IstoÉ, 22 de agosto de 2001. Ler/Read

MENEZES, Rogério, «Ana, Almino e Brasília». Correio Braziliense, Brasília, 30 de junho de 2001. Ler/Read

_________________ «Aprender a nadar. Os romances de Adriana Lisboa, Rubens Figueiredo e João Almino comprovam: a nova literatura brasileira a está no bom caminho». Pensar, Correio Braziliense, Brasília, 15 de julho de 2001. Ler/Read

MILLARCH, Aramis, «Almino, autor de boas idéias e seu romance». Almanaque, O Estado do Paraná, Curitiba, 1.o de março de 1988.

MINDLIN, Betty, «A travessia de uma mulher». Jornal da PUC, São Paulo, 13 de setembro de 2001. Ler/Read

MIRANDA, Ana, «João Almino: tetralogia de Brasília». Caderno C, Correio Braziliense, domingo, 1.o de março de 2009. Ler/Read

MODKOVSKI, Roger, «Samba-Enredo coloca computador na primeira pessoa da narrativa». Livros/Especial, Indústria & Comércio, Curitiba, 30 de agosto de 1994.

__________________»Desfile de carnaval e presidente negro em romance de João Almino». Livros/Especial, Indústria & Comércio, Curitiba, 30 de agosto de 1994.

MOLLE, Fernando, «Cómo contra Brasil sin lo pintoresco». Buenos Aires, Ñ, Revista de Cultura, Clarín, 30 de abril de 2004. Ler/Read

MONTEIRO, Pedro Meira, «Todo instante: a ficção de João Almino». Luso-Brazilian Review, Volume 47, number 1, 2010, p. 61-70 Ler/Read

MONTEIRO, Pedro Meira, Sobre Cidade Livre. In: Pena Vadia, setembro de 2010. Ler/Read

NUNES, Augusto, «Lembrando 1946; Os Democratas Autoritários, de João Almino». Veja, 22 de outubro de 1980. Ler/Read

ORSINI, Elizabeth, «Caso de amor com um computador». O Globo, Rio de Janeiro, domingo, 7 de agosto de 1994. Ler/Read

OSAKABE, Haquira, «O romance carnavalesco de um narrador-computador». Folha de S. Paulo, domingo, 9 de outubro de 1994. Ler/Read

PANIAGO, Paulo, Sempre com o pé na estrada. Correio Braziliense, 1.o de março de 1998.

_______________»Jogo com traves». Pensar, Correio Braziliense, domingo, 10 de junho de 2001. Ler/Read

_______________ «A Terceira Cidade». Pensar, Correio Braziliense, Brasília, 10 de junho de 2001.

_______________ «Imagens da Cegueira: o escritor João Almino conta como construiu histórias de encontros e desencontros a partir de personagem secundário de romances anteriores». Entrevista. Pensar, Correio Braziliense, Brasília, 21 de junho de 2008. Ler/Read

________________»Vida às avessas». Pensar, Correio Braziliense, Brasília, 21 de junho de 2008

PINTO, Manuel da Costa, «Autor João Almino cria obra de peso com ´Enigmas da Primavera´». Ilustrada, Folha de S. Paulo, 16 de maio de 2015. Ler/Read

RIBEIRO, Gustavo Lins, «Micarecandanga em ritmo de Samba-enredo», Jornal de Brasília, 30 de agosto de 1994. Ler/Read

ROCHA, João Cezar de Castro, «Uma declaração de princípios: João Almino termina o ‘Quarteto de Brasília’ e elege a palavra narrada como a grande lição». Idéias & Livros, Jornal do Brasil, sábado, 4 de outubro de 2008. Ler/Read

ROCHA, João Cezar de Castro, «Nenhuma Brasília existe: a cidade na ficção livre de João Almino» . Philia&Filia, Porto Alegre, vol. 1, n. 1, jan-jun 2010. Ler/Read

RODRIGUES, Cássia Maria, «A trilogia de Brasília». Prosa & Verso, O Globo, Rio de Janeiro, 9 de junho de 2001. Ler/Read

ROMANO, Roberto, «Segredo e informação na política: o livro O Segredo e a Informação – Ética e Política no Espaço Público, de João Almino, discute a questão da circulação social de informações». Ilustrada, Primeira Leitura, Folha de S. Paulo, sábado, 25 de outubro de 1986. Ler/Read

ROSENFIELD, Kathrin, «João Almino, Cidade Livre». Zeero Hora, Porto Alegre, sábado, 18 de dezembro de 2010. Ler/Read

RUY SANCHEZ, Alberto, «El Cuerpo Múltiple y Sorpresivo; sobre Las Cinco Estaciones del Amor, de João Almino. México, 2003. Ler/Read

SANDES, José Anderson, «Álbum Existencial». Caderno 3, Diário do Nordeste, Fortaleza, 28 de junho de 2008.

SANTOS, Marcio Renato dos, «Em queda livre» (sobre O Livro das Emoções). Caderno G, Gazeta do Povo, Curitiba, 5 de agosto de 2008.

SCLIAR, Moacyr, «João Almino reencontra a Brasília moderna e arcaica». Ilustrada, Folha de S. Paulo, sábado, 2 de agosto de 2008. Ler/Read

SIERRA, Sonia, «En busca de la utopia amorosa». Cultura, Universal, México, 21 agosto de 2003. Ler/Read

SILVA, Deonísio, «Reviravoltas no além: nessa sátira anárquica até os mortos vivem». Caderno 2, O Estado de S. Paulo, São Paulo, domingo, 18 de outubro de 1987. Ler/Read

TORRES, Victor Emanuel, «La disección de la utopía». Cultura, Milenio, México, 21 de agosto de 2003.

VIANA, Carlos Augusto, «As cores embaçadas de um passado» (sobre O Livro das Emoções). Diário do Nordeste, domingo, 20 de julho de 2008. Ler/Read

Wey, Valquiria, Sobre Las Cinco Estaciones del Amor. México, 2003. Ler/Read

 

 

AUDIOVISUAIS:

Entrevista a Gloria Alvarez para Homens e Livros. Rio de Janeiro: TV Manchete, jan. 1988, 9 min. Ver/Watch

Entrevista a Authors and writers. San Francisco: Bay TV, Channel 35, 1994, 9 min.

Entrevista a Paulo Markun e otros para Roda Viva. São Paulo: TVE, 06/08/2001, 90 min. Ver/Watch: 1 e 2

Entrevista a Maurício Melo Junior para Leituras. Brasília: TV Senado, 30/11/2002, 28 min. Ver/Watch

Entrevista a Maria Simões para Todas as Letras. São Paulo: TV Mackenzie, julho de 2008, 15 min.

«O Distrito Federal de João Almino» (documentario). Dir: Philippe Barcinski. Roteiro: Fabiana Werneck Barcinski. São Paulo: TVCultura y Polo de Imagem, 2001, 28 min. Ver/Watch
Assista completo em tal.tv

Entrevista a Maurício Melo Junior para Leituras. Brasília: TV Senado, agosto de 2008, 28 min.

Entrevista a Maurício Melo Junior para Leituras. Brasília: TV Senado, maio de 2010, 28 min. Ver/Watch

Entrevista a Manuel da Costa Pinto, TV Cultura – Entrelinhas, maio de 2010. Ver/Watch

Saraiva Conteúdo, maio de 2010. Ver/Watch

TV Estadão – Leituras Sabáticas, dezembro de 2011. Ver/Watch

Entrevista a Roberto Seabra sobre ENIGMAS DA PRIMAVERA. Brasília: Casa das Palavras, Livro em Pauta, abril de 2016 Ver/Watch

 

 

DE JOÃO ALMINO

 

LIVROS DE FICÇÃO:

Idéias para onde passar o fim do mundo. (Prefácio: Walnice Nogueira Galvão). São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

Samba-enredo. (Apresentação: Jorge Schwartz). São Paulo, SP : Marco Zero, 1994.

As cinco estações do amor. (Apresentação: Silviano Santiago). Rio de Janeiro: Editora Record, 2001, 2.a edição.

Idéias para onde passar o fim do mundo. (Prefácio: Walnice Nogueira Galvão). Rio de Janeiro: Editora Record, 2003.

Las cinco estaciones del amor. Traducción de María Auxilio Salado y Antelma Cisneros. México: Alfaguara, 2003.

Las Cinco Estaciones del Amor. Traducción de Rodolfo Alpízar Castillo. La Habana: Premio Casa de las Américas, Fondo Editorial Casa de las Américas, 2003.

Las cinco estaciones del amor. Traducción de María Auxilio Salado y Antelma Cisneros. Buenos Aires: Corregidor, 2009.

The five seasons of love. Translated by Elizabeth Jackson with an introduction by K. David Jackson. Austin, Texas: Host Publications, 2008, 1st ed.

O livro das emoções. (Prefácio: Alcir Pécora; apresentação: João Gilberto Noll). Rio de Janeiro: Editora Record, 2008.

The Book of Emotions. Translated by Rhett McNeil. Champaign/Dublin/London: Dalkey Archive Press, 2012.

Cidade Livre. (Prefácio: Benjamin Abdala Junior; apresentação: Walnice Nogueira Galvão). Rio de Janeiro: Editora Record, 2010.

Free City. Translated by Rhett McNeil. Champaign/Dublin/London: Dalkey Archive Press, 2013.

Enigmas da Primavera. (Prefácio: João Cezar de Castro Rocha; apresentação: Pedro Meira Monteiro). Rio de Janeiro: Editora Record, 2015.

Enigmas of Spring. Translated by Rhett McNeil. Champaign/Dublin/London: Dalkey Archive Press, 2016.

 

LIVROS DE ENSAIOS:

Os democratas autoritários: liberdades individuais, de associação política e sindical na constituinte de 1946. São Paulo : Brasiliense, 1980.

A idade do presente: tempo, autonomia e representação na política. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

La edad del presente: tiempo, autonomía y representación en la política. México: Fondo de Cultura Económica, 1986.

Era uma vez uma constituinte: lições de 1946 e questões de hoje. São Paulo: Brasiliense, 1985.

O segredo e a informação: ética e política no espaço público. São Paulo: Brasiliense, 1986.

Naturezas Mortas: A Filosofia Política do Ecologismo. Brasília: IPRI, 1994.

Brasil/EUA, Balanço Poético. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1997.

Literatura Brasileira e Portuguesa Ano 2000 (org. com Arnaldo Saraiva). Porto: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Congresso Portugal-Brasil Ano 2000/Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

Rio Branco, a América do Sul e Modernização do Brasil (org. com Carlos Henrique Cardim). Brasília: Comissão Organizadora das Comemorações do Primeiro Centenário da Posse do Barão do Rio Branco no Ministério das Relações Exteriores, 2002.

Rio Branco, América del Sur y la Modernización del Brasil (org. con Carlos Henrique Cardim). 1a edición en español. Rio de Janeiro: EMC edições/IPRI, 2003.

Naturezas Mortas: A Filosofia Política do Ecologismo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2004.

Escrita em Contraponto – Ensaios Literários. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2008.

O diabrete angélico e o pavão – Enredo e amor possíveis em Brás Cubas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

Tendencias de la literatura brasileña. Escritos en Contrapunto. Buenos Aires: Leviatán, 2010.

 

CAPÍTULOS, INTRODUÇÕES E OUTROS TEXTOS EM LIVROS:

«La política, la ideología y el sujeto en la construcción democrática: el proceso de democratización de 1946 en Brasil». In: Perfil del Brasil Contemporáneo. México: Nuestra America, Centro Coordinador y Difusor de Estudios Latinoamericanos, Universidad Nacional Autónoma de México, 1987, p. 195-206.

«O processo político da Constituinte de 1987». In: Luiz Roberto Salinas Fortes e Milton Meira do Nascimento (org.), A Constituinte em debate. São Paulo, Sofia Editora SEAF, 1987, p. 77-82.

«O segredo na política e os direitos à informação e à privacidade». In: Luiz Roberto Salinas Fortes e Milton Meira do Nascimento (org.), A Constituinte em debate. São Paulo: Sofia Editora SEAF, 1987, p. 265-288.

«Economic development and environment». In: Poverty, Prosperity and Profit, Tenth edition. Armonk, New York: Executive Council on Foreign Diplomats, 1989, p. 193-201.

«A poesia de seu momento.» (Entrevista com Michael Palmer). In: Palmer, Michael, Passagens. Ouro Preto: Gráfica Ouro Preto, 1996, p. 37-46.

«Foreward». In: Nothing the Sun Could Not Explain, 20 Contemporary Brazilian Poets (edited by Michael Palmer, Régis Bonvicino and Nelson Ascher and with a Foreword by João Almino). Los Angeles: Sun & Moon Classics, 1997, p. 17-24.

«De Machado a Clarice: A força da literatura. In: Mota, Carlos Guilherme (org.), Viagem Incompleta; A Experiência Brasileira (1500-2000). São Paulo, editora SENAC, 2000, p. 43-82.

«A poesia de seu momento» (Entrevista com Michael Palmer). In: Palmer, Michael e Bonvicino, Régis, Candenciando-um-ning – Um samba para o outro; poemas, traduções, diálogos. São Paulo: Ateliê editorial, 2001, p. 139-148.

«Patrimonio Cultural, Turismo y Desarrollo. Pensar a Iberoamérica: las culturas iberoamericanas en el siglo XXI». In: Néstor Garcia Canclini (org.), Iberoamérica 2002. México: Editorial Santillana, 2002, p. 237-245.

Apresentação. In: Helder Macedo, Vícios e Virtudes. Rio de Janeiro: editora Record, 2002.

«Inserção Internacional de Segurança do Brasil: A Perspectiva Diplomática». In: Clóvis Brigagão e Domício Proença Júnior (org.), O Brasil e o Mundo; novas visões. Rio de Janeiro: Francisco Alves/Konrad Adenauer-Stiftung, 2002, p. 27-85.

«Ambiguidade e acomodação: o realismo mítico de Helder Macedo». In: Teresa Cristina Cerdeira (org.), A experiência das fronteiras: leituras da obra de Helder Macedo. Niterói, RJ : EdUFF, 2002.

«Reflexões sobre a Guerra Morna». In: Leonardo Nemer Caldeira Brant (org.), Terrorismo e direito. Rio de Janeiro: Forense, 2003, p. 321-328.

«A Trilogia de Brasília: do lúdico ao trágico». In: Abstrata Brasília Concreta. São Paulo: Medialecom, 2003, p. 260.

«A Filosofia Política do Ecologismo». In: Marcionila Fernandes e Lemuel Guerra (org.), Contra-discurso do Desenvolvimento Sustentável. Belém: UNAMAZ, 2003, p. 21-46.

«As relações literárias entre o Brasil e Portugal». In: Castro-Rocha, João Cezar, Nenhum Brasil Existe; Pequena enciclopédia. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003, p. 807-825.

«Patrimônio Cultural, Turismo e Desenvolvimento.» In: Néstor Garcia Canclini (org.), Culturas da Ibero-América: diagnósticos e propostas para seu desenvolvimento. São Paulo: Moderna, 2003, p. 251-260.

«O diálogo interrompido». In: Abdala Junior, Benjamin (org), Incertas Relações: Brasil-Portugal no século XX. São Paulo: editora SENAC, 2003, p. 125-148.

«A Utopia é um império; a relação entre os povos na obra clássica de Thomas More». Prefácio. In: More, Thomas, Utopia. Brasília: Editora Universidade de Brasília/ IPRI, 2004, p. ix a xxxiii.

«Machado de Assis, a Contemporary Writer». In: João Cezar de Castro Rocha (org.), The Author as Plagiarist – The Case of Machado de Assis. Dartmouth, Massachussetts: Center for Portuguese Studies and Culture, University of Massachussets Darmouth, Portuguese Literary & Cultural Studies 13/14, Fall 2004/Spring 2005, p. 141-142.

«Prefácio». In: Rouanet, Sergio Paulo Rouanet, Nair Heloisa Bicalho de Sousa e Maria Francisca Pinheiro Coelho (org.), Itinerários de Barbara Freitag. Brasília: editora Universidade de Brasília, 2005, p. 11-14.

«Tunga: Tensão e intenção poética». In: Carlos Leal (editor), Ateliês do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2006, p. 128-131.

«Forward». In: Bernard McGuirk and Else R. P. Vieira (editors), Haroldo de Campos in Conversation. London: Zoilus Press, 2008, p. 7-11.

«O amor nos tempos do gás lacrimogêneo». In: Carpeggiani, Schneider (org), Ficcionais Vol 2: Escritores revelam o ato de forjar seus mundos. Recife: Cepe editora, 2016, p. 27-29.

«O Ocidente não existe: universalismo em Amartya Sen e Sergio Paulo Rouanet». In: Rouanet, Luiz Paulo; Bassi, Adriana Rouanet e Levy, Wilson (org), Rouanet 80 anos: Democracia, Modernidade, Psicanálise e Literatura. São Paulo: É Realizações Editora, 2016, p. 229-262.

 

OUTROS TEXTOS DO AUTOR EM PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS OU SUPLEMENTOS LITERÁRIOS:

«A ideologia autoritária no discurso democrático: o Direito de Greve, a Autonomia Sindical e a Liberdade de Organização Partidária na Constituinte de 1946». Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980, vol. 19, p.187-194.

«El otro como modelo o amenaza y la cuestión de la división temporal». Prometeo; Revista Latinoamericana de Filosofía. Facultad de Filosofía y Letras, Universidad de Guadalajara. Año I/No. 1, Septiembre-diciembre de 1984, p. 85-96.

«Introducción a Claude Lefort». Vuelta, México, outubro de 1985, p. 25.

«A mentira e o segredo segundo Kant». Folhetim, n.o 493, Folha de S. Paulo, 20 de julio de 1986, p. 6-11.

«O segredo na política e os direitos à informação e à privacidade». Folhetim, Folha de S. Paulo, São Paulo, 7 de agosto de 1986, p. 5-9.

«De noche, en la frontera, un círculo alrededor del lago» (ficción). Traducción de Francisco Cervantes. Vuelta, Año X, Número 117, Agosto 1986, p. 15-21.

«O segredo na política e os direitos à informação e à privacidade». Folhetim, Folha de S. Paulo, 7 de setembro de 1986, p. 5-9.

«A propriedade como condição da liberdade?» Folhetim, n. 506, Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 de outubro de 1986, p. 2-5.

«Propriedade e liberdade». Sociedade e Estado, Revista semestral do Departamento de Sociologia da UnB, Vol. 1, n.o 2, Jul./Dic., 1986, Brasília, Editora Universidade de Brasília, p. 7-28.

«O povo inventando o povo?» Humanidades, 11, ano III, noviembre/enero, 1986/87, p. 5-10.

«Octavio Paz, Pensador da Política». Folhetim, n.o 518, Folha de S. Paulo, São Paulo, 9 de janeiro de 1987, p. B-6 a B-10.

«El Replanteamiento de la cuestión democrática: perspectivas del proceso brasileño». Latino América, Anuario Estudios Latinoamericanos, Universidad Nacional Autónoma de México, Número 20, Año 1987, p. 119-137.

«A Paz e a Autodeterminação dos Povos em Kant». In: Contexto Internacional. Rio de Janeiro, PUC/RJ, jul-dic. 1987, p. 37-45.

«A constituição que não teremos». Folhetim, Folha de S. Paulo, 6 de novembro de 1987, p. B-2 a B-9.

«O que desejar?» Pliegos, Numero Uno Editores, Madrid, julho 1988, p. 22-25.

«Identidade: um falso problema?» Folhetim, n.o 603, Folha de S. Paulo, São Paulo, 6 de agosto de 1988, p. B-2 a B-8.

«O otimismo crítico». Tendências/Debates, Folha de S. Paulo, 28 de março de 1989.

«Idéias de naturezas mortas». Idéias/Ensaios, Ano I, n.o 71, Jornal do Brasil, 11 de novembro de 1990, p. 8-10.

«A triste ilusão dos ecocêntricos». Idéias/Ensaios. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 3 de março de 1991, p. 10-11.

«Neo-humanismo ecológico». Espaço Aberto, O Estado de S. Paulo, 19 de junho de 1992, p. 2.

«Um minimalista ‘avant la lettre’.» (Sobre Graciliano Ramos). Cultura, O Estado de S. Paulo, 24 de outubro de 1992, p. 2.

«Naturalezas Muertas». Cuadernos-Americanos, No. 42, Nov-Dic, Volumen 6, México, D.F., CECYDEL, UNAM, 1994, p. 11-27.

«Lawrence Ferlinghetti e o espírito de São Francisco». Poesia Sempre, Rio de Janeiro, Ano 2, número 4, agosto de 1994, p. 199-202.

«Graciliano Ramos and Brazilian Literary Realism». Santa Barbara Portuguese Studies. Center for Portuguese Studies, University of California at Santa Barbara, Volume I, 1994, p.184-192.

«A guerra do cânone ocidental». Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, domingo, 13 de agosto de 1995.

«A poeta vê o Brasil». (Sobre Elizabeth Bishop). Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, 24 de setembro de 1995.

«A festa da Costa Oeste». Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, domingo, 17 de dezembro de 1995, p. 5-7.

«Del colapso de las ideologías a las ideologías del colapso: la democracia en el Brasil de hoy». Conferencia en la Cátedra João Guimarães Rosa de la Universidad Nacional Autónoma de México. Revista Mexicana de Sociología, Año LVIII, Núm. 1, Enero-Marzo de 1996. México, UNAM, Instituto de Investigaciones Sociales, p. 233- 241.

«A experiência da linguagem». Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, domingo, 5 de maio de 1996, p. 13.

«Novas aventuras prara o romance moderno». Mais!, Folha de S. Paulo, São Paulo, 23 de junho de 1996, p. 5-11.

«A extinção do americano típico». Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 de agosto de 1996.

«A variada identidade do americano típico». Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 de janeiro de 1997.

«Mestiçagem e ação afirmativa». Espaço aberto, O Estado de S. Paulo, 13 de fevereiro de 1997.

«Virtualidades da Política». Espaço Aberto, O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 de março de 1997.

«O futuro do livro». Espaço Aberto, O Estado de S. Paulo, 13 de abril de 1997.

«O silêncio do lobo» (sobre Allen Ginsberg). Mais! Folha de S. Paulo, 13 de abril de 1997.

«A prosa da nova geração». Mais!, Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 de junho de 1997, p. 5-13.

«Paisagem depois da batalha». Espaço aberto, O Estado de S. Paulo, 9 de dezembro de 1997.

«Por um universalismo descentrado». Espaço aberto, O Estado de S. Paulo, 17 de março de 1998.

«A política de Octavio Paz». Mais!, Folha de S. Paulo, São Paulo, 24 de maio de 1998.

«Fragmento de trabalho em andamento» (ficção). Terceira Margem, Revista do Centro de Estudos Brasileiros, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal, n.o 2, 1999, p. 53-57.

«Um duplo incesto». Mais!, Folha de S. Paulo, São Paulo, 23 de maio de 1999.

«O diálogo interrompido». Rumos, Ano 1, N.o 3, maio/junho 99, p. 26-36.

«A sabedoria literária». (Entrevista con Almeida Faria). Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, domingo, 5 de setembro de 1999.

«A literatura da cisma» (entrevista com Sophia de Mello Breyner Andresen). Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 de setembro de 1999.

«Realidade e acomodação: o realismo mítico de Helder Macedo», Colóquio/Letras, Lisboa, octubre de 1999.

«Por um universalismo descentrado: Considerações sobre a metáfora antropófaga». Nuevo Texto Crítico, Stanford University, vol. XII, No. 23/24, enero-diciembre 1999, p. 41-48.

«Ambiguidade e acomodação: o realismo mítico de Helder Macedo». Colóquio/Letras, 153/154, Lisboa, julio-diciembre 1999, p. 298-301.

«O século XX». In: 500 anos de Brasil. São Paulo: Safra, 1999, p.58-64.

«El pesimismo como método: Comentario sobre Machado de Assis». Cuadernos Hispanoamericanos. Madrid, Número 598, abril 2000, p. 11-25.

«Uma artesã do detalhe». (Entrevista con Agustina Bessa-Luís). Mais!, Folha de S. Paulo, São Paulo, domingo, 18 de junho de 2000.

«Uma meticulosa geometria do nada». Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 de setembro de 2000.

«O Domador de Sonhos e outras imagens da pedra: A construção da poética de João Cabral de Melo Neto de Pedra do Sono a A Educação pela Pedra». Colóquio/Letras, n. 157/158, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, julho-dezembro de 2000, p. 127-158.

«Letras d’aquém e d’além-mar». D.O. Leitura, Publicação cultural da Imprensa Oficial do Estado. São Paulo, ano 18, número 12, dezembro de 2000, p. 21-26

«A renúncia de Jânio quarenta anos depois». Valor Econômico, São Paulo, 23 de agosto de 2001.

«Grandes crises, novas ordens». Jornal da USP, Especial – 2ª parte, 8 a 14 de outubro de 2001, p. 2.

«O domador de sonhos e outras imagens da pedra. A construção da poética de João Cabral de Melo Neto». Colóquio/Letras, Lisboa, março de 2002.

«O continente multicultural. A propósito de O Espelho Enterrado, de Carlos Fuentes». Mais!, Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 de março de 2002.

«A nova vanguarda materialista». Sibila, Revista de Poesia e Cultura. São Paulo, Ateliê Editorial, Año 2, N. 3, 2002, 171-177

«Da poesia da experiência à experiência da poesia: A propósito de Robert Creeley e de Herberto Helder». Sibila, Revista de Poesia e Cultura, ano 3, n. 4, Ateliê Editorial, São Paulo, 2003, p. 56-76.

«Forward». In: The PIP Anthology of World Poetry of the 20th Century, Volume 3, Nothing the Sun Could Not Explain: 20 Contemporary Brazilian Poets, edited by Régis Bonvicino, Michael Palmer and Nelson Ascher. Los Angeles, Green Integer, 2003, p. 9-12.

«Uma forma recortada do mundo» (ficción). Mais! Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 de abril de 2004, p. 11-12.

«O mais é silêncio, Entrevista imaginária com Herberto Helder» (ficción). Lusografias, Año I, n.o 1, Julio/agosto/setembro 2005, p. 45-47.

«Adventures of solitude». Excerpt from «The Five Seasons of Love». Translated by Elizabeth Jackson. The Dirty Goat, 17, Host Publications, Austin, Texas, 2007, p. 184-207.

«O Mito de Brasília e a literatura». Revista Estudos Avançados, USP, 21, n.o 59, abril de 2007, p. 299-308.

«A presença de intelectuais e pragmáticos na política externa americana». Eu &, Valor, São Paulo, 31 de outubro, 1 e 2 de novembro de 2008.

«The Earthenware and the Iron Pot: Nabuco’s Utopia for the two Americas». Luso-Brazilian Review, University of Wisconsin Press, Madison, Volume 45, Number 2, 2008, p. 1-18

«La utopía de Nabuco.» In: Archivos del Presente, Buenos Aires, año 13, n. 50, 2009, p. 139-147.

«O pote de barro e o pote de ferro: a utopia de Nabuco para as duas Américas . In: Política Externa, São Paulo, vol 18, n. 2, set/out/nov 2009, p. 147-162.

«Abertura e assimilação na língua portuguesa: o papel do escritor». ANTARES: Letras e Humanidades, [S.l.], n. 5, p. 38-45, jul. 2011. ISSN 1984-4921. Ler/Read

«La sonrisa y la cachaza: en torno a Quincas Berrido de Agua, marquista de la muerte.» In: Turia, Revista Cultural, número 103, jun-octubre de 2012, p. 255-262.


REDES SOCIALES