Reviravoltas no além

O ESTADO DE S. PAULO, CADERNO 2, Domingo, 18 DE OUTUBRO DE 1987

Deonísio da Silva

Nessa sátira anárquica até os mortos vivem

A Universidade de Brasília tem bons ficcionistas em seu corpo docente. Um deles é o próprio reitor, Cristovam Buarque. Um magnífico ficcionista, direis. Um ficcionista magnífico, podem acrescentar seus leitores. João Almino, que é professor na UNB, faz sua estréia na literatura e dá a entender que a imaginação continua acesa naquele campus.

Ao contrário de Brasília que, em certos dias, é um tédio atroz, o romance de Almino não tem nada de monótono. Aliás, outra professora universitária, da USP, faz um prefácio que deixa os leitores de água na boca e doidos para ler de vez o romance. A estréia chega elogiada por Ledo Ivo e Walnice Nogueira Galvão.

O romance √© uma doideira muito bem constru√≠da. H√° conflitos e lutas, incluindo brigas pela tomada de poder…de narrar. Quando o leitor pensa que a narrativa foi feita por M√°rio, surge Silvinha, que nega tudo e apresenta a verdade verdadeira. A narradora √© ela. Tudo come√ßa com a contempla√ß√£o de uma foto, em Paris. Muitos personagens s√£o nordestinos que migraram para Bras√≠lia. Como Berenice, por exemplo, apaixonada por T√Ķezinho, com quem se inicia no amor. Quando a l√≥gica das circunst√Ęncias pede que o pai obrigue o atrevido a casar-se com a donzela que deflorou, o desinfeliz mata Rufino numa briga, Berenice vem para Bras√≠lia e a confus√£o aumenta.

Ali, Eva Fernandes tem uma empregada de nome Tita Rodrigues. Eva √© filha de general. Sua √°rvore geneal√≥gica √©, portanto, meio dark nos tempos dos movimentados eventos do romance. Vendo Tita transar com Cadu – o autor da foto inspiradora -, Berenice descobre que o prazer √© bem diferente daquele que experimentou com o seu T√Ķezinho. Uma sensualidade cheia de desbunde e um erotismo divertido presidem √† sedu√ß√£o de Cadu. Al√©m de toda esta atmosfera caliente, ocorre o seq√ľestro do presidente da Rep√ļblica durante o carnaval, discos voadores visitam o Brasil, mortos v√™m contar hist√≥rias.

Idéias para onde passar o fim do mundo (Brasiliense, 208 páginas, Cz$ 385,00) lembra o defunto-autor celebrado por Machado de Assis, agora ferido em sua imortalidade pela nota de mil cruzados. Igualmente cético, como os personagens em que se inspirou, o narrador Рserá Mário, será Silvinha? -, mesmo voltando do outro mundo para completar seu roteiro cinematográfico, não acredita na vida depois da morte. A morte depois da vida, porém, ninguém pode negar. E, com o tema, João Almino fez uma sátira divertida e anárquica, inventiva e boa de ler.

Deonísio da Silva, escritor e professor universitário, é colaborador do Caderno 2.


REDE SOCIAIS